Por VOA

A organização não governamental Friends of Angola (FoA), com sede em Washington DC, nos Estados Unidos, escreveu uma carta à presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, e ao governador do Banco de Portugal, Carlos da Silva Costa, a solicitar “uma investigação formal e/ou cancelamento da licença bancária portuguesa das agências bancárias angolanas (Banco de Negocios Internacional (BNI) e BNI Europa e Banco Privado Atlântico (BPA) Europa, bem como do Banco Atlântico Europa ( BAE) e Banco Africano de Investimentos (BAI).

A carta, com data de 20 de abril e assinada pelo director executivo daquela organização, Florindo Chivucute, começa por lembrar que aquelas instituições financeiras “são propriedade de antigos e atuais políticos angolanos e que se dedicavam a lavar dinheiro de Angola para a União Europeia”.

“As entidades bancárias não cumprem as leis internacionais contra lavagem de dinheiro e combate ao financiamento do terrorismo, bem como as leis portuguesas sobre financiamento ilícito”, escreve Chivucute, que cita a investigação do Projeto de Investigação ao Crime Organizado e Corrupção (OCCRP) divulgada a 13 de abril, segundo a qual “os auditores portugueses encontraram um número significativo de irregularidades e falta de cooperação internacional”.

O director executivo do FoA sustenta o seu pedido ao dizer que “os auditores portugueses observaram que o fracasso dos bancos angolanos e das suas sucursais em Lisboa em realizar a devida diligência escondeu a origem das transações, criando um ambiente perfeito para a lavagem de dinheiro”.

Florindo Chivucute reforça ainda que um relatório confidencial da Unidade de Inteligência Financeira de Portugal concluiu que as ações dos bancos foram resultado de “desfalque, falsificação de documentos e tráfico de influência” pelas autoridades portuguesas, mas que, “apesar disso, a criação do banco foi aprovada pelos reguladores financeiros portugueses”.

Em declarações à VOA, Florindo Chivucute diz que as evidências são de há muito tempo e que as provas reveladas ultimamente por diversas investigações independentes de organizações internacionais “justificam uma ação que passe por uma investigação profunda ou mesmo ocancelamento das actividades das agências bancárias angolanas em Portugal”.

Além da carta ele Chivucute garante que a FoA tem vindo a trabalhar com vários parceiros, “em particular com o Departamento de Estado americano no sentido de se combater a lavagem de dinheiro e desvio de recursos de Angola”.

Chivucute conclui que “o Luanda Leaks, a recente investigação do OCCRP e outras revelações, é o momento certo de fazer pressão” para por cobro ao desvio de dinheiro de Angola.

Processos contra Isabel dos Santos e empresas associadas

Em fevereiro, Chivucute disse à VOA, no programa Washington Fora d´Horas, que a sua organização ia processar consultoras americanas que prestaram serviços às empresas de Isabel dos Santos citadas da investigação Luanda Leaks e a empresa da filha do antigo Presidente angolano, que está registada em paraíso fiscal americano de Delaware,

Friends of Angola (FoA), é uma organização não governamental internacional com estatuto consultivo especial junto do Conselho Económico e Social das Nações Unidas (ECOSOC) e cujo trabalho tem posto ênfase na democracia e desenvolvimento de Angola.

© 2020 - Friends of Angola

All Rights Reserved to  friendsofangola.kasaiconnect.com